Notícias da Diocese

Arcebispo de Feira de Santana recebe pálio no Vaticano

Por ocasião da Solenidade dos Apóstolos Pedro e Paulo nesta quarta-feira, 29, o Papa Francisco presidiu à Santa Missa na Basílica Vaticana com a entrega do pálio aos novos Arcebispos metropolitanos. Este ano, 25 Arcebispos serão contemplados, entre eles quatro brasileiros: Dom Roque Paloschi, de Porto Velho (Rondônia), Dom Zanoni Demettino Castro, de Feira de Santana (Bahia), Dom Rodolfo Luís Weber, de Passo Fundo (Rio Grande do Sul), Dom Darci José Nicioli, C.SS.R. de Diamantina (Minas Gerais).

Os outros 21 Arcebispos são oriundos de França, Equador, Estados Unidos, Antilhas, Itália, Espanha, Bélgica, Turquia, Cuba, México, Polônia, Ilhas Salomão, Mianmar e Benin.

Depois da celebração, o Papa rezou com os fiéis na Praça a oração mariana do Angelus, sempre com transmissão da Rádio Vaticano.

O pálio

O pálio é elaborado com lã branca, com cerca de 5cm de largura e dois apêndices – um na frente e outro nas costas. Possui seis cruzes bordadas em lã preta. É confeccionado pelas monjas beneditinas do Mosteiro de Santa Cecília, em Roma, utilizando a lã de dois cordeiros que são oferecidos ao Papa no dia 21 de janeiro de cada ano na Solenidade de Santa Inês.

O uso do pálio, que nos primeiros séculos do Cristianismo era exclusivo dos Papas, passou a ser usado pelos Metropolitanos a partir do século VI, tradição que perdura até aos nossos dias. O pálio é símbolo do serviço e da promoção da comunhão na própria Província Eclesiástica e na sua comunhão com a Sé Apostólica.

Mudança no rito

O Papa Francisco instituiu uma mudança na imposição do pálio aos novos Arcebispos. Com uma carta datada de 12 de janeiro de 2015, o Mestre das Celebrações Pontifícias, monsenhor Guido Marini, informou que a faixa de lã branca será somente entregue e não colocada pelo Santo Padre.

A imposição do pálio será realizada nas respectivas arquidioceses pelo Núncio Apostólico no país.

“O significado desta alteração é colocar em maior evidência a relação dos bispos metropolitanos com a sua Igreja local e, assim, dar também a possibilidade a mais fiéis de estarem presentes neste rito tão significativo para eles, e também particularmente aos bispos das dioceses sufragâneas que, deste modo, poderão participar do momento da imposição. Neste sentido, mantém-se todo o significado da celebração de 29 de junho, que sublinha a relação de comunhão e também de comunhão hierárquica entre o Santo Padre e os novos arcebispos; ao mesmo tempo, a isto se acrescenta – com um gesto significativo – esta ligação com a Igreja local”, explicou Mons. Marini.

Fonte: CNBB NE3

PALAVRA DO BISPO

Dom Plínio

EVENTOS

SuMoTuWeThFrSa

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

 
 « ‹nov 2020› »